Quem Somos

As Olimpíadas de Ciências são eventos internacionais que contam com a assinatura da UNESCO. Fomentar tais eventos não significa promover a competição, mas sim despertar e estimular o interesse pelas Ciências, proporcionar novos desafios aos estudantes; aproximar a universidade do ensino médio e, principalmente, permitir que os estudantes descubram nas ciências latu-sensu e na Educação a capacidade de crescimento intelectual, econômico e social.

Com a participação da Alemanha Oriental, Bélgica, Bulgária, Polônia, União Soviética e Tcheco-Eslováquia no ano de 1990 foi realizada a I Intenational Biology Olympiad, que como todas as demais olimpíadas de ciências visava não somente premiar, mas principalmente constituir instrumento que atinja o louvável objetivo de cativar o interesse pela ciência.

Até a XV IBO (2005) a Argentina era o único país da América do Sul a participar da competição internacional. Nosso país vizinho participa na IBO desde 1994, tem histórico de vitórias em sua participação nas olimpíadas, conta com uma olimpíada nacional de diversas fases, e no último ano foi sede deste importante evento internacional.

O Brasil, que já participava de todas as demais olimpíadas internacionais de Ciências, devia representação apenas na Olimpíada Internacional de Biologia (IBO), ciência das mais emergentes em termos de descobertas e interesse dos alunos às suas diversas ramificações – Ciências Biológicas, Biomedicina, Biofísica, Enfermagem, Medicina, Medicina Veterinária, Farmácia, Nutrição, Microbiologia e Imunologia dentre outras.

Um país como o Brasil, líder no Projeto Genoma, que realizou o seqüenciamento da bactéria Xylella fastidiosa e que tem uma importantíssima biodiversidade, além de uma agricultura desenvolvida, precisa mostrar sua força na área biológica e o preparo de sua juventude.

Visando suprir esta lacuna, a Associação Nacional de Biossegurança- ANBio enviou em 2004 para Brisbane, Austrália (durante a XV IBO) um representante como observador que conseguiu o apoio do Comitê Olímpico Internacional para organizar a Olimpíada Brasileira de Biologia e a participação da delegação brasileira na IBO seguinte – The 16th International Biology Olimpyad, realizada em Julho de 2005.

Desde então a ANBio tem buscado parceiros visando promover a inclusão dos estudantes brasileiros na elite científica mundial e de forma crescente tem investido na organização, divulgação e treinamento dos alunos para a participação na OBB e IBO.

No dia 08 de maio de 2005 o Brasil deu um largo passo no sentido da Educação e divulgação científica. As provas realizaram-se em 16 Estados da Federação, onde candidatos de nível médio tiveram seus conhecimentos testados em 120 questões objetivas.

O maior desafio foi mostrar questões alinhadas com o currículo de Biologia dos países de ponta; a Olimpíada torna-se um norte à qualidade do ensino biológico; fomenta o interesse em Biologia e principalmente estreita a ponte entre a Universidade e o Ensino Médio contribuindo para a divulgação de novas descobertas, a inclusão social e a aprendizagem científica dos alunos.

Em 2005 foi a primeira vez que o Brasil enviou uma delegação à Olimpíada Internacional de Biologia, sob a coordenação da ANBio, contando como parceiros o Ministério da Educação- MEC, o Ministério da Ciência e Tecnologia, A Universidade federal do rio de Janeiro, e sócios coorporativos da ANBio que acreditaram na importância desta iniciativa.

A partir de 2007 alguns países latino-americanos, inclusive o Brasil, assumiram um novo compromisso – a realização da I Olimpíada Ibero-Americana de Biologia. A primeira participação na OIAB (Cidade do México) teve o Brasil como primeiro colocado geral (1 medalha de ouro, 1 medalha de prata e 2 medalhas de bronze), superando países como a Argentina, Espanha, México, Peru e Bolívia. Desde então, nossos alunos selecionados através da OBB vem participando da OIAB, sempre com excelentes resultados. A participação do Brasil na OIAB tem sido fundamental no estreitamento dos laços educacionais entre os países Ibero-Americanos e motivado a participação de outros países (ex. Costa Rica, Venezuela, Cuba, Chile).

A Tabela abaixo mostra o quadro evolutivo da OBB e que embora quantitativamente tenhamos um número menor de inscrições, qualitativamente o processo seletivo tem levado a melhor colocação na Olimpíada Internacional com obtenção de maior número de medalhas.

 

Tabela I- Quadro evolutivo da Olimpíada Brasileira de Biologia - 2005 a 2015

 

  I OBB
(2005)
II OBB
(2006)
III OBB
(2007)
IV OBB
(2008)
V OBB
(2009)
VI OBB
(2010)
VII OBB
(2011)
VIII OBB
(2012)
IX OBB
(2013)
X OBB
(2014)
XI OBB
(2015)
Número de Alunos inscritos 7.000 17.000 21.000 25.000 17.000 11.000 30.000 70.000 55.000 70.000 59.000
Número de fases do processo seletivo 1 2 3 2 2 2 2 2 2 3 3
Número de Estados participantes 16 16 23 23 23 23 23 23 23 23 27
Número de alunos treinados no RJ 04 21 20 - - - 09 09 11 15 15
Resultados - - - 1 medalha de ouro, 1 de prata e 2 de bronze (OIAB) 1 medalha de bronze (IBO), 2 de prata e 2 de bronze (OIAB) 2 medalhas de bronze (IBO), 1 de prata e 2 de bronze (OIAB) 2 medalhas de bronze (IBO) e 2 de bronze (OIAB) 1 medalha de bronze (IBO), 2 de ouro e 2 de prata (OIAB) 1 medalha de prata e 2 de bronze (IBO). 4 medalhas de bronze na OIAB 1 medalha de Bronze (IBO). 1 de ouro, 2 de prata e 1 de bronze na OIAB 3 medalhas de bronze (IBO). 3 medalhas de prata e 1 de bronze na OIAB